Processos de Segurança

Ergonomia no Ambiente de Trabalho

Por Erica Bento Coelho de Moura Lacerda - 9 de outubro de 2017
Ergonomia no Ambiente de Trabalho

Você já ouviu falar sobre Ergonomia e sua importância?

Ergonomia é o estudo científico das relações entre “homem e máquina” e se preocupa com a segurança e eficiência do modo com que os dois interagem entre si e com o meio. O termo vem do grego ergon, que significa “trabalho” e nomos, que quer dizer “leis ou normas”.

De acordo com a NR-17- Ergonomia, em seu item 17.1.1: ”As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descargas de materiais ao mobiliário, aos equipamentos e as condições ambientais do posto de trabalho e da própria organização do trabalho.”

  • Aplicação:

– Procedimentos ergonômicos contribuem para a diminuição do cansaço, bem como tornam eficientes os procedimentos que se propõem a evitar lesões ao trabalhador;

– A Ergonomia propõe a criação de locais adequados e de apoios ao trabalho; a criação de métodos laborais e sistemas de retribuição de acordo com o rendimento; determinação e cumprimento de horários; ritmo de trabalho, dentre outros procedimentos, sempre comtemplando a empresa e suas relações estabelecidas com os trabalhadores sob uma ótica humanitária;

– De modo geral, a Ergonomia nas empresas pode ser aplicada através da ginástica laboral, intervalos regulares e rotatividade de tarefas, além da adaptação do ambiente de trabalho de acordo com a função e carga horária do funcionário.

  • Objetivos:

– Oferecer conforto ao trabalhador, de modo que fique claro que não é o funcionário que tem que se adaptar às condições de trabalho mas as condições de trabalho que devem se adaptar ao trabalhador, não somente às questões físicas mas às suas características psicofisiológicas, como atenção, estresse e pressão por resultado, por exemplo;

– Prevenir a ocorrência de acidentes no trabalho bem como patologias específicas para determinados tipo de tarefa laboral, bem como diminuição do cansaço evitando, assim, lesões ao trabalhador;

-Para o empregador a utilização correta das técnicas garante um ambiente e colaboradores  favoráveis para a execução das tarefas, promovendo redução de gastos com afastamentos e reposições da mão de obra por problemas de saúde ou acidentes do trabalho.

 É possível estabelecer a aplicação da Ergonomia no ambiente de trabalho através dos seguintes passos:

1) Elaboração do Programa de Ergonomia, que consiste no levantamento dos riscos ergonômicos e na concepção do programa;

2) Conscientização dos funcionários, que se dá através de treinamentos e palestras acerca dos riscos ergonômicos e sua prevenção;

3) Aperfeiçoamento do Programa de Ergonomia, que se dá através da correção e aperfeiçoamento do programa aplicado no ambiente de trabalho.

O Ministério do Trabalho e Emprego, através da Norma Regulamentadora 17, orienta que toda empresa tenha uma Análise Ergonômica do Trabalho (AET), documento onde o profissional indica as melhorias que devem ser feitas para que o local atenda as condições mínimas de Ergonomia.

Investir em Ergonomia é investir na qualidade de vida das pessoas, uma vez que, através de exercícios e métodos, há a diminuição no número de acidentes de trabalho e ausências por afastamentos.

Em uma época na qual a valorização dos trabalhadores é essencial e indispensável, deixar de lado o bem estar e a saúde destes é certamente colocar em risco investimentos e resultados de sua empresa.

As instituições que quiserem se manter atuantes devem investir em uma estrutura ergonômica que garanta a qualidade e harmonia do ambiente de trabalho.

Com funcionários saudáveis e motivados, a instituição preserva a sua imagem e garante produtividade e atuação no mercado.

Referências Bibliográficas:

NR-17 – ERGONOMIA

Fonte da Imagem:

ee-photo/3d-render-of-a-male-figure-in-revolved-side-angle-pose-with-muscles-used-highlighted_1253228.htm#term=&page=12&position=6#term=&page=12&position=6