Produtos Químicos

Herbicidas: Benefícios e Malefícios

Por Diogo de Souza Metello - 2 de agosto de 2017
Herbicidas Benefícios e Malefícios

O que é e para que servem os herbicidas?

Os herbicidas são produtos químicos utilizados na agricultura para o controle de ervas classificadas como daninhas.

Os produtos constituem um tipo de pesticida, ou seja, substâncias ou misturas que têm como principal objetivo impedir, destruir, repelir ou mitigar qualquer praga.

Usualmente, são lançados de encontro a estas pragas que estão destruindo uma determinada plantação, disseminando doenças, incomodando pessoas, dentre outros fatores colaterais. Sua utilização é feita com diversas formas de seres vivos, tais como: insetos, erva daninha, moluscos, pássaros, mamíferos, peixes, nematelmintos e micróbios. Não são necessariamente venenos, porém, quase sempre, são tóxicos ao ser humano.

Estas plantas, em geral, são eliminadas quando disputam certos recursos com as cultiváveis como por exemplo: espaço, água, sais minerais, dentre outros.

Em vista disto, quais são os benefícios e malefícios de sua utilização?

O uso de herbicidas em lavouras apresentam as seguintes vantagens: a economia de tempo é maior quando as ervas daninhas são eliminadas e, desta forma, a ação se dá de maneira muito mais rápida e a mão-de-obra é menor.
Portanto, podemos concluir que acaba sendo mais barata, sem contar que não há a necessidade de revolver o solo.

Mas se na questão do aspecto econômico o uso de herbicidas é vantajoso, no aspecto ambiental este uso pode trazer sérios riscos. O primeiro destes riscos é a resistência desenvolvida pela erva daninha com o decorrer do tempo, o que provoca, posteriormente, a necessidade do uso de dosagens cada vez maiores de herbicidas. Outro problema ambiental de grande relevância é a contaminação das águas e seres vivos, já que se trata de substâncias amplamente tóxicas.

Existem riscos para a saúde humana?

Sim, pode ser irritante e apresentar potencial corrosivo para a pele e mucosas, sendo mais grave em crianças. A combustão libera monóxido de carbono (CO), óxidos de fósforo (PxOy) e óxidos de nitrogênio (NOx).
Se ingerido, podem ocorrer lesões corrosivas das mucosas oral, esofágica, gástrica, dentre outras que devem ser verificadas atentamente. O produto em contato com os olhos pode resultar em irritação, dor, queimação ocular, turvação da visão, conjuntivite e edema palpebral.

Como se proteger de seus perigos de forma efetiva?

Ao abrir a embalagem, evite respingos e evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Não aplique o agrotóxico na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia. Aplique-o somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita). E sempre utilize Equipamento de Proteção Individual (EPI).

E o que fazer com o restante do produto e suas embalagens?

Na maioria dos casos é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.
As embalagens rígidas laváveis deverão ser submetidas ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento. Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando seu fundo. No prazo de até um ano da data da compra é obrigatória a devolução da embalagem vazia e com a tampa. O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, no mínimo um ano após a devolução da embalagem.

 

Referências Bibliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Herbicida
FISPQ – Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos
http://www.infoescola.com/agricultura/herbicida/

Fonte da Imagem: Greentumble