Medicina

Síndrome de Burnout no Ambiente de Trabalho

Por Ana Katariny dos Santos - 21 de janeiro de 2021

Introdução:

A síndrome de Burnout é instituída por exaustão emocional, despersonalização e estafa profissional. Caracteriza-se por sentimentos de incapacidade, ansiedade, esgotamento, insatisfação nas atividades de trabalho e estresse crônico, no qual a interação interpessoal fica prejudicada, gerando conflitos no ambiente de trabalho (ALMEIDA et al, 2016). 

Objetivo: 

O artigo tem como objetivo salientar sobre a presença da Síndrome de Burnout em profissionais em seu ambiente de trabalho. 

Metodologia: 

Trata-se de uma revisão de literatura. A coleta de dado foi realizada em Novembro de 2020. Utilizando o banco de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), através dos descritores: Exaustão emocional e física, Esgotamento psíquico e despersonalização. O critério de inclusão estabeleceu-se artigos científicos, publicados nos últimos cinco anos, em idioma português, disponível online. Resultou-se em 05 artigos.  Foram extinguidos aqueles que não se incluíam com o tema por meio da leitura do título e resumo. A amostra final compreendeu 02 artigos.

 Resultados e Discussão: 

Os profissionais possuem atualmente um crescimento nos casos de afastamentos dos seus trabalhos cotidianos devido ao esgotamento profissional, causando sofrimento, medos e angústias, ansiedade, estresse tornando aquele profissional insatisfeito em seu ambiente de trabalho. A sobrecarga de trabalho, a relação direta com pessoas e o trabalho sobre pressão favorece o desenvolvimento da síndrome de Burnout (ALMEIDA et al, 2016). Os fatores que desencadeiam a síndrome de Burnout inclui a precariedade do ambiente de trabalho, conflitos interpessoais, a falta de material, desvalorização salarial, falta de reconhecimento e incentivo para capacitações. Lima, Farah e Teixeira (2018), relatam que esses fatores causam inúmeros danos emocionais e físicos a saúde dos trabalhadores, como irritação, baixa autoestima, ideação suicida, humor depressivo, alteração de memória, disfunção imunológica, cardiovascular e hormonal. 

Considerações Finais: 

Portanto, é de suma importância o desenvolvimento de ações voltadas para a saúde mental dos trabalhadores, tendo em visto que a síndrome de Burnout acomete principalmente os profissionais. Deste modo, é necessário realizar ações de prevenção e promoção da saúde para proporcionar melhorias nas condições de trabalho.

Referências:

ALMEIDA, L. A. et al. Fatores geradores da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde. Rev. Fund. Care Online, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p.4623-4628, jul/set, 2016.

LIMA, A. S.; Farah, B. F.; Teixeira, M. T. B. Análise da prevalência da síndrome de Burnout em Profissionais da atenção primária em saúde. Rev. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 16 n. 1, p. 283-304, jan/abr, 2018.

Gostou deste post? Então deixe um comentário, compartilhe com a gente e com os nossos demais leitores, a sua opinião e as suas ideias sobre o assunto!